sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Música e fotografia numa só sintonia

Thiago Rabello
“Quando fotografo música, interligo as duas profissões ao máximo. Fotografo o show como se estivesse tocando junto”. Se uma imagem vale mais que mil palavras, uma foto tirada por uma cantora pode transmitir a alma desse “fazer musical”, através da sensibilidade de quem conhece “o outro lado”.

E, seguindo a tendência do profissional capaz de transitar por várias áreas, a arte também vem revelando esses talentos “multidisciplinares”. Na era da conectividade, flexibilizar é preciso. A cantora, compositora e fotógrafa paulista, Dani Gurgel, é um exemplo dessa diversidade.

Dani iniciou ainda criança seus estudos na música. Vinda de uma família musical – com mãe pianista e pai saxofonista -, ela ingressou em seus estudos musicais aos três anos de idade. Antes de se revelar como cantora e compositora, Dani passou muitos anos transitando pela música instrumental. Ela começou como saxofonista da big band da Universidade Livre de Música, regida por Roberto Sion. Também passou pela banda que acompanhava o Zimbo Trio, e foi baixista do grupo Quincas, com Tó Brandileone e Vinicius Calderoni. Neste último, desenvolveu suas composições em tempos de faculdade. Da passagem pelo instrumental, Dani afirma que aprendeu respeitar a todos como membros de um grupo só, e não como músicos acompanhantes. “Por isso me preocupo muito em dar espaço aos músicos que tocam comigo, pra solos, pra arranjo, pra idéias. O som é nosso, não meu”, diz ela.

A profissionalização na música veio na mesma época em que Dani também se profissionalizava na fotografia, por volta dos 14 anos de idade. Unindo as duas artes em sua vida, Dani tem na câmera fotográfica, mais um instrumento. Em seu currículo, ela tem fotos das capas dos discos de Mônica Salmaso (Noites de gala, samba na rua), Rafa Barreto (Rafa Barreto), Ray Kennedy (The Music of Arthur Schwartz), Tó Brandileone (Tó Brandileone), Quatro a Zero (“Choro Elétrico” e “Porta Aberta”) e Pau Brasil (2005).

Prosseguindo nessa ideia de “agregação”, Dani lançou o projeto “Dani Gurgel e Novos Compositores” que, não só apresentou Dani Gurgel como cantora e compositora, mas evidenciou a união de uma nova geração de músicos paulistas em busca de um mesmo espaço. “Acho que dessa maneira todos conseguimos mais, e juntos. Não podemos, nunca, ver o outro como concorrente. Somos aliados, isso sim”, conta.

Durante os espetáculos, Dani gravou um e.p. com quatro canções: uma própria e três que fizeram parte da série. O disco, apelidado ‘compacto’, não foi apenas um ensaio para a produção de um futuro ‘long-play’, mas um trabalho conciso, em tempos de distribuição digital, que abriu muitas portas para sua divulgação. O disco hoje está disponível para venda digital na Tratore.

Seu projeto autoral ‘Da Pá Virada’, de canções em parceria com Debora Gurgel, foi vencedor do Prêmio Nascente (Pró-reitoria de Cultura e Extensão da Universidade de São Paulo) em 2007, o que lhe rendeu uma série de shows pelos campi da universidade e um disco "Nosso", gravado com a ajuda financeira do prêmio recebido, com seu repertório baseado em novos compositores paulistanos.

E, no próximo sábado, 12 de setembro, Dani lança “Agora”, seu terceiro CD. Inspirado na série “Dani Gurgel e Novos Compositores”, e produzido por Thiago Rabello, o disco terá compositores considerados “novos” por terem no máximo um disco solo gravado. No disco, Dani convida esses compositores para participarem, cantando ou tocando seu instrumento em suas canções.

O show será às 21h no Auditório Ibirapuera, em São Paulo. O endereço é Av. Pedro Álvares Cabral s/nº - Portão 2. Mais informações pelo telefone (11) 3629-1075.

Um comentário:

Madamefala disse...

oi moça!
Tem presente de selinho pra vc...pegalá depois..bjocas.