domingo, 17 de fevereiro de 2008

MPB de cara nova!

Viver de música não é fácil, principalmente em um país em que a desigualdade reina por toda parte. "Estamos aí, acreditando e na luta, nesse mundo nem tão justo. Mas acredito muito mais em mim do que no sistema. Sendo assim, não espero muito dele", diz Raquel Koehler, um desses novos talentos que estão correndo atrás dos seus ideiais, lutando contra a falta de incentivo e de investimento.

Com o crescimento das novas mídias, como a internet, cada vez menos as gravadoras se dispõem a bancar os custos da produção de um disco, a não ser que o artista já seja consagrado, e, garantindo, assim, a certeza do lucro. ."É lamentável que um país como o Brasil, com uma riqueza cultural - e especificamente musical - louvada pelo mundo todo, ofereça tantas dificuldades no meio artístico", comenta Bruna Caram que, com apenas 21 anos de idade, lançou seu primeiro cd, "Essa Menina", e vem caindo nas graças do público.

Essa restrição das gravadoras de bancar a produção dos discos tem provocado o crescimento do número de discos independentes, como uma forma de inserção no mercado. E, apesar de facilitar a pirataria, a internet tem ajudado na divulgação do trabalho desses novos artistas. Sites como Youtube, Myspace e Orkut têm sido os recursos utilizados pelos artistas para alcançar o público e conquistar os amantes da boa música e os sedentos por novidades.

Além da grande rede, alguns centros culturais são responsáveis por revelar talentos, como o bairro da Lapa, no Rio de Janeiro, o Tom Jazz, em São Paulo, e os bairros do Rio Vermelhor e Pelourinho, em Salvador. Freqüentando esses lugares, não é difícil de encontrar esses novos artistas mostrando seu trabalho e lutando para conseguir seu lugar ao sol. Espaços como esses são exemplos de que é possível apostar na novidade e ter sucesso.

E elas vão à luta, seguindo atrás de seus sonhos, apesar de todas as dificuldades. Cada dia mais, novos talentos vão sendo revelados, mostrando que as adversidades só impulsionam aqueles que têm certos seus objetivos. E, assim, o Brasil mantém a sua fama de grande centro cultural. Mas é preciso que os grandes empresários do ramo vejam nesses novos artistas promissoras carreiras, e invistam neles, proporcionando um aumento cada vez mais rápido da emergência desses novos talentos. E como já dizia o grande mestre Gonzaguinha, "eu vou no bloco dessa mocidade, que não está na saudade e constrói a manhã desejada".


A partir da próxima semana, comece a conhecer algumas das novas cantoras que estão trilhando seu caminho e reescrevendo a história da Música Popular Brasileira.

Um comentário:

Danny Reis disse...

Show de bola, Carolzinha!!!!
Beijos!